Eles jogam pedras em você

Este artigo foi publicado em uma versão ligeiramente resumida e retrabalhada em La Verità de 17 de abril de 2022.

«Você é bom e eles jogam pedras em você. Você é mau e eles jogam pedras em você. Faça o que fizer, aonde quer que vá, sempre levará pedras na cara!" Antoine cantava em 1967. Algo assim acontece hoje, enquanto uma série de "emergências" a cada vez pede soluções em derrogação dos princípios éticos e legais que se aplicariam em tempos "comuns". Os mais observadores já observaram que o "estado de exceção" teorizado pelos filósofos do direito foi assim normalizado, ou seja, a suspensão indefinida das garantias e constrangimentos que entrelaçam o tecido do Estado de Direito e a consequente expansão dos poderes governamentais . para além das disposições da arquitectura constitucional (que, aliás, não prevê qualquer estado de excepção). O prolongamento desses forçamentos está, na verdade, deformando nosso modelo social além do ponto elástico de retorno ao normal. Ao se tornar a própria normalidade, está agindo como o cabeça do carneiro de uma operação reformista que não teme oposição nem limites, sejam eles de natureza parlamentar, eleitoral, ética ou legal.

Os mais atentos ainda perceberam que, por mais diferentes que sejam os desencadeadores da exceção em intensidade e natureza, os remédios invocados são sempre os mesmos e sempre pejorativos do bem-estar material e social dos cidadãos. Escrevi sobre isso nestas páginas no início da temporada de "pandemia" e agora estou escrevendo sobre a guerra em andamento na Ucrânia. Os lugares, os perigos, os protagonistas e os cenários mudam, mas como sempre, “você vai levar pedras na cara”.

Considere a anunciada suspensão das importações de fontes de energia da Rússia, que hoje cobrem um quarto de nossas necessidades e satisfazem dois quintos de nosso consumo doméstico e industrial de gás natural e, portanto, quase um quarto de eletricidade . Que em outras palavras, traçam a linha entre nós e um país em desenvolvimento. Agora, a ideia parece ser que, ao desistir dessa energia ao custo de nos infligir uma recessão monstruosa , forçaríamos o governo russo a desistir das operações militares. Uma ideia que em uma pessoa de inteligência média levantaria algumas questões. Por exemplo: porque então um décimo do nosso petróleo continua a ser importado da Arábia Saudita, cujas bombas estão causando " a pior crise humanitária do mundo " no vizinho Iêmen, com trezentos e oitenta mil vítimas e "uma criança com menos de cinco anos morta a cada dez minutos "? Por que consumimos o petróleo das companhias petrolíferas que se apoderaram dos campos roubados dos iraquianos em uma guerra de agressão na qual quase meio milhão de pessoas perderam a vida? E porque não abdicamos dos produtos menos essenciais daqueles que exploram crianças trabalhadoras , oprimem minorias ou praticam a escravidão em uma época – lembrem -se as principais organizações trabalhistas internacionais – em que “há mais escravos do que em qualquer outro período da história humana” ?

Se essas questões parecem ingênuas (são), então é preciso uma ingenuidade cúbica para aceitar a falta de lógica das últimas medidas que, se uma pitada de informação midiática fosse adicionada à inteligência média, também se tornariam inúteis. Enquanto a contribuição energética perdida pelos italianos não pode ser reposta, os russos já estão intensificando as exportações de gás para a vizinha China, que em breve será alcançada por um segundo gasoduto transmongólico . A maior potência industrial do mundo absorve sozinha quase o dobro da energia primária consumida por todos os países europeus juntos, mas até agora dependeu principalmente do carvão (60% do mix de energia fóssil) e do petróleo (20%), com os problemas ambientais e a continuidade dos fornecimentos resultantes . O mercado de gás natural da China é quase virgem e pode compensar abundantemente as perdas no ocidente. E nós? Não lançamos um bumerangue: estamos apenas atirando em nós mesmos.

A díade solução-problema assim representada é absurda demais para não nos perguntarmos se por acaso ela não ofusca outra, se não há método nessa loucura. Deslocando o olhar do suposto destinatário para o remetente, perfis menos desconhecidos, se não muito familiares, emergiriam das brumas do absurdo . Há algumas noites, o presidente da Nomisma Energia admitiu na televisão a necessidade de racionar o consumo de energia para fazer face ao novo cenário: "aqui precisamos de uma destruição da procura… uma descida infeliz", disse, acrescentando então que "a mercados de lá eles estão pedindo há pelo menos seis meses ". Os mercados? Seis meses? Então, antes das operações russas começarem ( aqui , por exemplo, o banco de investimento Citigroup, já em outubro passado). O problema é novo, mas a solução antiga: a austeridade, que depois das variantes fiscal e sanitária anuncia agora sua terceira metamorfose, a energética. Com a retomada das políticas monetárias expansionistas após a última crise, a ferramenta preferida dos investidores para conter o pesadelo inflacionário volta a estar em voga . Se para quem consome não há muita diferença entre aumento de preços e queda de renda, esta última é mais conveniente para quem joga com dinheiro porque preserva o valor dos créditos e equilibra os bens públicos e privados. Moral: se a propagação aumentar, eles jogam pedras em você, se uma pandemia estourar, eles jogam pedras em você. E se a Rússia entrar em guerra? Idem, eles jogam pedras em você. As mesmas pedras.

E enquanto são anunciados cortes de bilhões de metros cúbicos de gás, como não pensar nos apelos da menina de tranças e seus acólitos na manhã de sexta-feira? Como não juntar dois a dois com as cruzadas institucionais pela “descarbonização”, a “transição ecológica”, a redução dos “gases de efeito estufa” e os estilos de vida mais “sustentáveis” (ou seja, mais pobres) que martelam há anos? Como podemos esquecer que há pelo menos uma década William Henry Gates III vulgo Bill, o filantropo amigo do clima, voa pelos quatro cantos do mundo a bordo de um jato particular com dois mil litros de querosene por hora para nos explicar como anidrido ruim dói carbônico? Felizes coincidências, de fato. E os apagões europeus anunciados pelo nosso ministro Giorgetti já em novembro passado, pelo ministro da Defesa austríaco um mês antes , pelo Goldman Sachs dois meses antes ? Todos os profetas? Se o final já está escrito, todo enredo é bom: eles jogam essas pedras em você de qualquer maneira.

Podemos também praticar adivinhar os epílogos em vez de perseguir seus pretextos. Se não houver gás para todos e se, como sugeriu em entrevista o presidente da Agência Federal Alemã de Redes, as consequências do embargo russo forçarão muitas famílias a usar ajuda estatal para se aquecer, não é bizarro imaginar que o mesmo mecanismo telemático de recompensas – isto é, punições – introduzido com o passe verde pode também estender-se ao usufruto deste serviço. A combinação dos novos contadores eletrónicos equipados pela primeira vez com uma válvula de comando à distância e a plataforma IDpay “que permitirá aos cidadãos aceder aos bónus e medidas de apoio que os vários governos desenvolverão no futuro” facilitaria os anúncios “ modulações no fornecimento de electricidade e gás para uso doméstico "de acordo com os requisitos" virtuosos "que o legislador de tempos a tempos impõe. O que finalmente daria sentido ao adjetivo verde anexado ao passe de saúde em um fundo branco. Com Covid eles jogam pedras em você. Com bombas etc.

O mesmo jogo pode ser aplicado aos outros non sequiturs da vulgata. Seria de esperar, perguntou-se, que aqueles que dizem querer deter um "ditador" inimigo do "mundo livre" dariam um exemplo de pluralidade e liberdade para serem mais credíveis. Mas se, ao contrário, o faz elaborando listas de banimento, prendendo , demitindo e enlameando quem canta fora do coro, censurando os jornais , tarotizando imagens nos meios de comunicação de massa, promovendo o ódio de mão única, exigindo abjurações públicas no estilo maoísta e incitando um macarthismo tragicômico que não poupa nem os mortos de dois séculos atrás , então as contas não batem. Se estivéssemos em uma clínica psiquiátrica (e estamos próximos dela), diríamos que o paciente é afetado pela identificação projetiva, ou seja, ele atribui seus problemas não resolvidos a outros. Mas se puséssemos de lado novamente a razão, encontraríamos rostos já conhecidos. A guerra às "notícias falsas" com licença para censurar e processar opiniões não oficiais nasceu muito antes da da Ucrânia. A aventura pandêmica já havia traçado o sulco e derramado o estrume da selfie vacinal e do QR como auto-da-fé , da retirada dos conteúdos telemáticos "negacionistas" (ou seja, críticos), da marginalização dos evasores e dos radiação de dissidentes de registros profissionais. Já estava em curso a repressão da liberdade de se expressar, de falar e de se confrontar, que é o requisito para conhecer e conviver sem conflitos. Novamente, mude o ângulo de tiro, mas não as pedras, neste caso, lápides.

(Entre parênteses, mesmo aqueles que tentam dar lições de democracia devem ter um parlamento que represente as opiniões dos eleitores e não uma multidão de papagaios repetindo os grunhidos de seus chefes, quando por exemplo "para 69% [dos cidadãos] a Itália deve negociar com a Rússia" ( IPSOS ) e para 44% deles "enviar armas para a resistência ucraniana é errado e deve ser interrompido "( EMG ). E aqueles que se colocam como defensores do direito não devem requisitar sem julgamento as casas, os barcos e as contas correntes de quem tem apenas o erro de ter nascido ou de estar no lugar errado. Hoje acontece com os russos porque eles são "maus". E amanhã, quem será o vilão? Quem não acolhe refugiados, quem não se vacina, quem liga o ar condicionado, quem escreve coisas "erradas" no Facebook? Se tudo justifica tudo, então tudo é possível).

Também é difícil decifrar a escolha de integrar milhares de profissionais de saúde do teatro do conflito em nossos cuidados de saúde sem qualificá-los. Vamos esquecer o quão profundamente injusto isso é para com os muitos estrangeiros, muitos dos quais fugindo da violência, que tiveram que suar seus títulos italianos. E vamos fingir que não nos perguntamos como um profissional que não conhece nossa língua consegue se relacionar com colegas e pacientes, fazer anamnese, ler e fazer laudos etc. Mas vamos nos concentrar pelo menos no fato de que até ontem fomos nós que enviamos médicos para países em guerra. Com que lógica passamos agora de apoiar Emergências e Médicos Sem Fronteiras para facilitar o êxodo de jalecos brancos de uma nação bombardeada que precisa mais do que pão? E de enviar comida e remédios para navios de armas? Se mantivermos todas as premissas para sempre, nenhuma. Se, por outro lado, considerássemos o assunto em si, voltaríamos a reconhecer as características mais usuais da imigração econômica, de uma "alocação ótima de fatores produtivos" do livro didático cujos efeitos compressivos sobre reivindicações e salários ainda são os mesmos relatados na famosa correspondência sobre a " questão irlandesa ". Não podendo deslocar os serviços à pessoa singular, os factores humanos localizam-se com contratos menos onerosos, tendo-se retirado primeiro as barreiras comerciais à entrada (qualificação para a profissão) previstas pelos mercados "livres" e globais, aqueles em que os trabalhadores são precisamente fatores, bens, commodities que podem ser colocados conforme necessário.

Será, portanto, outra feliz coincidência que esta medida sem precedentes caia um ano após outra medida sem precedentes, para retirar do serviço os profissionais de saúde que não aceitaram ser injetados três vezes com uma droga recém-inventada. Por um lado, a contribuição do pessoal do oriente ajudará a colmatar as lacunas históricas do pessoal de saúde e sobretudo os cargos vagos por médicos e enfermeiros suspensos em condições mais vantajosas (os contratos oferecidos são a termo ou freelance) . Por outro lado, enfraquecerá o poder de barganha dos suspensos, tornando-os, pelo menos no papel, menos indispensáveis ​​ao sistema, ou seja, deflacionários como todo o resto. Se houver China, eles jogam pedras em você. E se houver Ucrânia, eles ainda jogam em você, com interesse.

Não sei nem seria capaz de compreender plenamente os antecedentes da operação russa na Ucrânia. Tampouco posso dizer até que ponto os contra-movimentos caseiros irão. Mas eu vejo muito bem quais pedras vão chover em nossos rostos, não importa como as coisas aconteçam. Porque os argumentos (vamos chamá-los assim) da emergência infinita parecem tantos contos de fadas diferentes que todos terminam com a bruxa no forno: mesmo quando não há bruxas nem fornos. Então, depois de ler dois ou três, francamente, fico cansado. Como já escrevi em outro lugar , acredito que essa educação desviante e ilógica integra uma verdadeira pedagogia de governança que visa dissolver a percepção da contradição para transformar todo evento – verdadeiro ou falso, pequeno ou grande, natural ou artificial, inesperado ou desejado. – no combustível plausível de um programa já em execução. O solvente dessa dissolução é justamente a emergência em que se ativa uma ânsia de "fazer" típica do horizonte moderno. E como esse "fazer" improvável só pode acontecer no âmbito do factível, quem define o perímetro da agibilia também decide a agenda , ou seja, as únicas pedras – desculpe , soluções – possíveis.


Esta é uma tradução automática de uma publicação publicada em Il Pedante na URL http://ilpedante.org/post/ti-tirano-le-pietre em Fri, 29 Apr 2022 06:58:55 PDT.