Fiat iustitia pereant immundi

Querendo arriscar um comentário sobre o que está acontecendo em nosso país, não se saberia realmente por onde começar. Talvez do mais urgente, daquele sentimento entorpecido de normalidade que é o pano de fundo dos acontecimentos, daquela suave hipnose em que a tragédia escapa e afunda. Enquanto os ventos da guerra sopram no leste, olho para os escombros da guerra que está acontecendo em nossa casa há dois anos e coleto detritos aleatoriamente.

A escola . Crianças intimidadas pelos professores (!) Por não se permitirem ser injetadas com frasco, ou pelo mesmo motivo serem excluídas da sala de aula. Outros colocados em prisão domiciliar por notificação anônima, ou seja, privados de liberdade pessoal sem julgamento, pois isso não poderia mais ser feito por cerca de oitocentos anos. Porque havia habeas corpus – havia.

Os professores . Há uma semana, um professor de medicina falou na televisão. Não sei o que ele disse, mas no dia seguinte à universidade em que trabalha comunicou ao Twitter metworld que as palavras do professor "não representam o pensamento da instituição" e anunciou "mais ações". Os internautas em busca de prazer levantaram com piadas e brincadeiras sobre o sobrenome do infeliz, que lembra um vegetal. Nessa troca alada ele teria se arrependido de se enfiar para perguntar qual era o "pensamento da instituição". Desde quando existe, onde está codificado? Não penso no artigo 33 da Constituição (de fato) mas nem mesmo na longa história das universidades, onde até ontem pensavam as pessoas físicas, não as jurídicas. Se durante a peste do século XIV os médicos das universidades (não as universidades) debatiam livremente sobre remédios, hoje é a ciência que fala pelos cientistas. Sim, mas quem está falando pela ciência então? Mistério.

O trabalho . Ainda na escola, uma professora escreveu para sua diretora que mesmo colegas assediadores ou violentos têm direito a uma parte do salário durante o período de suspensão. Um ex-ministro da Justiça lembrou que mesmo as sentenças de prisão perpétua podem trabalhar e ganhar o pão. Os juízes administrativos da Lombard se perguntaram com razão por que suspender um psicólogo que trabalha com pacientes apenas remotamente. Sim, por quê? E por que alguém que já tem certos anticorpos precisa tomar remédios para desenvolver esses anticorpos? E por que o "consenso científico global" em vigor em Como não é mais válido em Chiasso ? E por que uma punção conta mais do que um exame estadual ? Por que sim, porque "só tem que ser feito". Porque vai ser verdade, a água não corre rio acima e há seis meses você ainda não nasceu. Mas eu sou o lobo, você é o cordeiro.

Democracia . Parece que o primeiro-ministro ordenou aos parlamentares que "garantissem os votos" necessários para aprovar as decisões do governo. Usual genitura invertida: o executivo, ou seja, o órgão “capaz de executar” (assim o dicionário Gabrielli ), dá ordens ao legislativo que deve ditar a lei, em nome dos eleitores. Mas uma vez que um principal deve necessariamente estar lá, então quem dita as tarefas ao executor? Outro mistério.

Agora, pensando friamente, não é plausível que tal desmoronamento tenha sido consumido em tão poucos meses, nem que uma doença e algum decreto tenham derrubado por si mesmos um edifício erguido ao longo dos séculos. Não, as paredes já deviam estar rachadas há algum tempo, há muito tempo e talvez desde o início, de modo que o colapso era esperado por todos, temido por poucos, saudado por muitos. E então o sol continua a nascer, o leite chega às prateleiras e a televisão transmite debates e competições. O velho Orwell realmente acreditava nisso, que na Alemanha, na Rússia e em outros lugares não havia nada além de apatia, atraso e terror e que ninguém ali se atrevia a enxugar o cinza da ditadura com uma canção ou um sorriso. E nós com ele. Então não, não pode haver um regime. Se há um fio de luz – pelo menos para mim, pelo menos enquanto dura – os tempos não podem ser escuros.

Obviamente o sofrimento e a violência não são ignorados, certas histórias são ouvidas na família e lidas nos jornais, e certos métodos nunca vistos antes, exceto nos livros de história. Mas para isso existe o hipnótico mais forte, aquele que normaliza toda abominação: a justiça. Tudo bem porque está certo . E isso pode ser dito em toda parte, com a satisfação exaltada de um Savonarola leigo ou com os olhos baixos de quem se esforça para engolir uma lição dura, mas necessária. Atordoados com o absurdo do progresso, realmente acreditamos que os gadgets materiais também nos dão uma palma moral sobre nossos ancestrais, por isso não temos vergonha de pedir uma lágrima às crianças que não podem pegar o ônibus hoje porque há setenta anos, em outro país, alguém que ele poderia pegar desde que ocupasse os assentos de trás.

Seria fácil demonstrar mais matematicamente que se a injustiça produz crimes, a justiça incita os massacres. Porque o primeiro é punível, o segundo impune. O primeiro trabalha dentro dos limites do objetivo, o segundo não tem limites ou objetivos além de si mesmo, nem hesitações, nem censuras. "Você não tem misericórdia", diz Aglaja ao príncipe Myshkin, "mas apenas justiça: portanto, você é injusto", resume Dostoiévski em um piscar de olhos. E Nosso Senhor, que foi a vítima mais inocente de um tribunal ("nos legem habemus"), nunca deu uma palavra de elogio ao zeloso à la Javert, enquanto pelo contrário chamou "bem-aventurados os perseguidos por justiça" e prometeu-lhes o reino dos céus. A história de São Paulo também fala de perseguição e justiça. Antes do encontro com Deus, era precisamente um perseguidor "sem culpa quanto à justiça que deriva da observância da lei", mas como convertido já não vivia "com a minha justiça que deriva da lei, mas com aquela que se obtém por fé em Cristo: a justiça que vem de Deus, baseada na fé” (Fl 3,6.9). A justiça pode perseguir, mas se perseguida é outra coisa, é a máscara de uma injustiça.

Então, o que é certo? Como se rompe o círculo relativo, aquele que nos faz chorar pela sra. Parks voltando do trabalho (sim, já era científico na época ) e não pela mulher de cinqüenta anos com filhos que simplesmente não pode ir trabalhar hoje? Entre os tesouros varridos pela barbárie moderna está certamente o esforço milenar de vincular a ética, e portanto as leis, a uma norma que transcende seus autores e a preserva do absurdo de ancorar-se a si mesma. Se hoje gritarmos "o-ne-stà!" nas praças, há sete séculos Tomás de Aquino colocou o jus civil codificado pelos soberanos no último degrau da hierarquia das leis. Acima estavam o jus gentium comum a todos os povos e a lex naturalis , a disposição moral inata da alma (synderesis) que sente a lex aeterna com a qual Deus ordenou o mundo. A insubordinação dos graus inferiores produz obstinação e violência.

O achatamento dessa complexidade necessária na dimensão pontual do último codicilo escrito pelo último burocrata dá a medida do deserto de hoje que é, em ordem, espiritual, cultural e moral. Se a justiça eterna desaba sobre a dos homens, as prescrições destes imitam os decretos divinos: não devem dar outras razões além das confusas e enigmáticas de um mistério ao qual é necessário se curvar e prometer uma salvação que no domínio terrestre só pode ser essa sobrevivência, conveniência e vanglória à custa dos outros. É da instituição dessa pobreza que chegamos onde chegamos: aceitar o injusto porque não há outra justiça; falar de outra coisa mesmo dos púlpitos porque não há quem responda, nem acima nem depois; conviver com o absurdo e o anormal porque não há norma e, portanto, nem mesmo o normal.


Esta é uma tradução automática de uma publicação publicada em Il Pedante na URL http://ilpedante.org/post/fiat-iustitia-pereant-immundi em Wed, 02 Mar 2022 01:09:18 PST.