“Literalmente nossa ideologia”

Nos meus últimos dias no Twitter aceitei sem hesitar o convite para colocar o "tijolo" no perfil, já tendo seguido e apreciado quem o tinha feito antes de mim. Admirava não só a capacidade dos "pedreiros" de traduzir em nova comédia a repetição de chumbo dos pensamentos de mastigação e mucosas prescritos às massas e aos papagaios nos salões parlamentares. Não apenas a capacidade de agregar os desnorteados e desiludidos, de emancipá-los de uma crítica agora ofegante à implacabilidade dos acontecimentos e de forjar para eles um estilo brilhante e paradoxal, única resposta possível aos paradoxos vulgares das representações credenciadas. Nesta prática, surgiu também o enredo de uma reflexão que me sinto próxima de mim e que os pedreiros, os primeiros e talvez os únicos entre os seus contemporâneos, souberam estruturar numa verbalização avassaladora que nada concede ao pântano morto de " hegemonia cultural”. Em vez disso, eles pulam aquele pântano em pé de igualdade, tendo entendido o único propósito que lhe resta, assimilar tudo devorando-o entre suas fezes lamacentas, em processo de devorar a si mesmo.

Eu me propus a escrever sobre essas questões, quando alguns expoentes do movimento (ou seja lá o que for) me precederam publicando um manifesto (ou como você quiser chamar) que ilustra em pontos o que foi ilustrado no campo. Sob licença dos autores, proponho-o na íntegra abaixo. Os leitores encontrarão aí temas já caros a este blog, numa exposição mais incisiva e menos pedante: a rejeição do "debate", a estatística e o uso totêmico das ciências naturais, a irredimibilidade do modelo antropológico pós-moderno, a necessidade de uma a refundação mítica e, antes mesmo, o vício radical da cognição protética em massa, tema ao qual também dedicarei minhas próximas contribuições.

Neste último sentido, portanto, a afirmação das "teias" como um lugar "livre" e desintermediário, ainda "terreno mais fértil para o nascimento de… novas construções sociais, antropológicas, ontológicas" (ponto 3.6), e não uma cidadela inimiga a ser dobrada com boicote e deserção hoje, erradicação amanhã, para restaurar a primazia necessária da experiência e quebrar o mais poderoso dos feitiços totalitários.

Finalmente, luto para entender por que o Syllabus de Papa Mastai não foi eleito para resumir o programa político e espiritual do movimento.

***

O TIJOLO

OU UMA CONTRA-AGENDA PARA O CONTRA-MAN

(texto original em https://laterum.wordpress.com/2021/03/15/il-mattone )

Como, Villa Triste, 8 de março de 2021

"Me falta consistência, não tenho, não quero, te dou tudo velho!"

– Colegial pedreiro, sec. XX

Premissa

O tratamento perverso e suicida da pandemia de Covid-19 representou um desastre para a humanidade. O processo de degeneração da sociedade não pode ser interrompido, mas também deve ser acompanhado de sua conclusão natural.

O mundo pós-moderno é literalmente o giro de uma máquina de lavar louca e imparável: o oleiro nem tenta pará-la. Ele abre a portinhola e joga um tijolo nela.

1. O tijolo não é um movimento político. Pelo contrário, caracteriza-se como uma forma de adesão absoluta e imediata – não mediada – a um princípio, uma ideia, uma instância: a rejeição seca do paradigma homem-soja pós-pandemia.

1.1 Para os homens da soja, a pandemia representa a única forma de se sentir parte de um epos coletivo, por meio de ações que estão ao seu alcance: ficar em casa ou cobrir o rosto. O homem da soja opta por não viver para não correr o risco infinitesimal de morrer, ou pelo medo que lhe é incutido de prejudicar o próximo.

1.2 O artista do tijolo, ao contrário, rejeita os falsos mitos da mídia e da narrativa mediada, opondo-os às únicas categorias antropológicas ainda válidas ao mesmo tempo no mundo pós-pandemia, a saber, a velha dicotomia escravo/homem livre. O objetivo contingente do tijolo, se é que algum dia existiu, seria precisamente reunir todos os homens livres deste mundo.

1.2.1 Quem tem o tijolo é um de nós, embora já nos tenhamos dissociado de quem tem o tijolo. O tijolo é uma associação livre de pessoas dissociadas.

1.2.2 Ironicamente, você pode ter o tijolo mesmo sem literalmente ter o tijolo, seja lá o que isso signifique. Da mesma forma, a posse não vale título.

1.3 A alvenaria configura-se como uma doutrina espiritual pré-política, transcendente e antropológica. O tijolo, entre outras coisas, é pura reação, pura aceitação da derrota e consequente retirada estratégica do mundo, renunciando a qualquer ambição. Uma espécie de ascetismo, ao mesmo tempo triste e alegre. O tijolo é a busca de uma saída para os delírios da pós-modernidade, além de ser ele próprio um destino plausível.

1.3.1 Sendo uma doutrina espiritual, o tijolo não tem conteúdo oficial nem ideias fixas em torno de nada. Os pedreiros individuais certamente os têm, mas eles permanecem inteiramente pessoais e de forma alguma atribuíveis ao movimento como um todo, do qual todos se dissociam, sempre e em qualquer caso.

1.3.2 De fato, a olaria não tem pátria, senão em tijolo, e não tem compatriotas, mas pedreiros.

1.3.3 A construção de tijolos, portanto, rejeita qualquer forma de discriminação de sexo, raça, gênero, política ou religião. Qualquer um pode abraçar o tijolo. Se você tem o tijolo você é meu irmão (independente da sua relação com o fisco).

1.3.4 O tijolo, portanto, reprova todas as formas de racismo, exceto uma: a adesão ao pensamento e à doutrina política do Senador Cav. Antonio Razzi.

1.3.5 A fabricação de tijolos repudia a violência, sem sessões, como método de luta e resolução de conflitos políticos.

1.3.6 O pedreiro jamais recorrerá aos chamados direitos humanos, que em geral não reconhece, sem prejuízo do direito de ir ao banco e correios

1.3.6 [ sic ] A fabricação de tijolos devolve ao remetente qualquer tipo de rotulagem ideológica: não tem ideologia, porque considera ideologias agora desprovidas de sentido concreto. Na fenomenologia do tijolo, todas as ideologias nada mais são do que manifestações infantis do tijolo.

1.3.7 Os artistas do tijolo, portanto, não estão unidos por uma ideologia específica, nem (principalmente) por um estilo: estão unidos por um mesmo caminho existencial. Torna-se pedreiro por uma intuição espontânea de sympàtheia, com a qual se reconhece no outro um companheiro, um amigo ou, melhor, um frèn.

1.4 O tijolo é aceleracionista: por meio de sua dialética, pretende abrir caminho para a singularidade que levará ao colapso definitivo do paradigma vigente. Não se concentra na vantagem marginal de curto prazo, sabendo que dentro do paradigma supracitado seria apenas uma vitória de Pirro. Pelo contrário, persegue ativamente a destruição do paradigma atual, tanto criando um alternativo, quanto aplaudindo os aspectos mais dementes e autodestrutivos do atual. O pedreiro é um espectador divertido da autofagia furiosa e pós-rema do Leviatã: tendo devorado todo o resto, tudo o que resta é alimentar-se de seus próprios membros.

1.4.1 Sempre que Pirgopolinice-in-capo o coloca (apesar de si mesmo) antes da hora das decisões irrevogáveis, o oleiro espera a solução mais forçada, delirante, sem vergonha e grávida dos porcos anteriores, para que mesmo os ingênuos e ingênuos, eles começam a mergulhar no abismo, a desenvolver a convicção de que não se pode lutar com razão contra um inimigo que não conhece medida, que ostenta sem arrependimento sua própria vergonha.

1.4.2 A Constituição italiana é uma peneira, que permite qualquer sujeira em nome do "progresso", em meio aos aplausos estrondosos de cinco gerações de constitucionalistas. Pensar que poderia representar uma trincheira é ingênuo. O retorno ao "espírito de '48" e as interpretações "originalistas" são perspectivas irreais.

1.5 O pedreiro é um terraplanista, senão como os antípodas não cairão? De qualquer forma, ele não acha que a Terra seja realmente plana – esse não é o ponto.

1.6 Como doutrina espiritual, a alvenaria é aplicável a todos os campos do conhecimento humano (e também ao que, transcendendo a razão humana, não pertence ao domínio do conhecimento).

***

2. A sociedade do entretenimento, mediada pela TV e pela mídia de propaganda, criou uma realidade fictícia, nem remotamente rastreável com os sentidos, que prontamente devolvem uma realidade diferente daquela apresentada pela mídia. Quem pretender nos persuadir do contrário, prepare-se para falhar. Portanto, o tijolo representa uma resposta real à realidade ficcional encenada pela mídia.

2.1 Ela não apenas rejeita a “realidade”, mas – vanguardista – cria uma alternativa, especular e ao mesmo tempo oposta, onde os conflitos, conceitos e categorias de propaganda deixam de ter sentido.

2.1.1 O tijolo senta-se, sem ser convidado (e de mãos vazias), na mesma mesa da mídia, jogando seu próprio jogo, escondendo na manga a ideia clandestina de verdade.

2.1.2 Neste jogo midiático – porque agora é um jogo – é a história que produz a realidade, para despertar a adesão cega do público. Nessa dinâmica, o poder não consegue reprimir em si mesmo a tentação de testar constantemente a fidelidade incondicional de seus seguidores, mergulhando cada vez mais a narrativa no incoerente, no absurdo, no insano.

2.1.3 Paradoxalmente, quanto mais cego e surdo é, mais imune à narração. Por outro lado, quanto mais você desfruta de uma boa visão, mais vulnerável você fica à narrativa. O pedreiro tem uma visão excelente, mas está tão distante da narrativa quanto o cego.

2.1.4 O tijolo, portanto, pretende tornar espetacular a quebra da história.

2.2 Tendo sido os princípios tradicionais da lógica, da ciência, da filosofia, da política e da arte incorporados pelo espetáculo, tornados deformados e insignificantes, o tijolo os reabilita e dignifica com novas práticas de des-espetacularização da realidade. O tijolo, com um movimento improvisado e imprevisível, irrompe no palco e, possuído pela fúria sagrada, leva para si todas as partes: protagonista, coadjuvante e figurante. Mas é a única mentira (o tijolo não existe), enquanto, subindo ao palco, conta apenas a verdade.

2.2.1 Ao rejeitar formalmente esses princípios, ele os reabilita e lhes dá nova vida, realizando o processo inverso da realidade mediada pelo espetáculo, que os aceita formalmente, de fato os humilha. Trivialmente, ao rejeitar sua codificação, abre novos espaços de possibilidades. Em última análise, o pedreiro é infinito em si mesmo.

2.2.2 O tijolo não é a verdade, nem a possui, mas visa quebrar o espelho que oculta sua visão. Ele devolve o homem à ideia de verdade imanente: é propriamente antimodernista na medida em que se recusa a acreditar que não há estado de coisas. O tijolo afirma, como condição necessária para a liberdade, a faculdade do homem de poder apreender e afirmar a verdade; aplaude o anseio do generoso que o atende.

2.3 A prática com que o tijolo cumpre os seus próprios fins consiste na denúncia do debate, na rejeição de um não debate decidido a priori e dirigido por quem tem acesso ao palco. Em uma situação em que o próprio debate é pré-mastigado pelas mandíbulas onívoras do espetáculo, o tijolo se recusa a participar e, na verdade, o denuncia como um método de imposição de ideias.

2.3.1. Sendo a noesis um princípio gnoseológico superior à dianoia, o artista do tijolo pretende recuperar a intuição como ferramenta cognitiva indispensável do pensamento lógico, ainda mais em uma época de sistemática distorção e adulteração do pensamento científico pelos mestres da fala.

***

3. Nosso século pede desculpas por reivindicar a ciência e a tecnologia como princípios normativos neutros e infalíveis das ações: o tijolo, o novo Prometeu, pretende desmascarar essa afirmação, indicando a vontade como o motor último de todas as ações humanas.

3.1 O domínio da tecnologia pressupõe que a gestão da vida e a resolução de conflitos sejam problemas científicos, racionais e objetivos. Ao negar sua natureza puramente política, o poder usa especialistas e o chamado consenso científico para ocultar sua dominação e disfarçar sua natureza tirânica.

3.2 O percurso existencial na base da olaria é constituído pela rejeição do princípio da autoridade e da narrativa a que se adequa. A fabricação de tijolos acredita que nenhuma verdade pode ser aprendida com o processamento de dados estatísticos. Em vez disso, ele prefere a haruspicina, pois esta, embora corresponda a ela em substância, é uma arte mais antiga e mais venerável. Claro que ele também não acredita, mas esse não é o ponto.

3.3 O poder consiste em poder estabelecer relações causais – ou afirmar sua ausência – ex auctoritate. Uma prerrogativa tão crucial não pode ser abandonada a um "debate científico livre" com resultados imprevisíveis, mas é invocada pelo poder que, ao dispor dele à sua vontade, encena uma pseudoliberdade, um pseudodebate, uma pseudociência.

3.3.1 A ciência serve como notário e propagandista do poder. Abandonou o método para se tornar um culto burocrático.

3.3.2 À chamada "verdade científica" opomos intuição, conjectura, sagacidade, como estranhas ao ramo do espetáculo.

3.3.3 As fontes estão corrompidas na fonte. Isso significa que o tijolo não persegue uma concepção em que a ágora, a esfera pública, seja ocupada por indivíduos que devem ser substancialmente "jornalistas de si mesmos". Além de utópica e irrealista, essa solução só contribuiria para ocultar ainda mais o domínio dos atuais "senhores do discurso", contribuindo para a preservação de seu jugo.

3.3.4 Nenhuma realidade é real se não for incorporada e, portanto, vivenciada diretamente. A vida é a verdade, a verdade é a vida.

3.3.5 Só os fatos sagrados podem ostentar – não abusivamente – o atributo da verdade: não são apenas não provados como dignos de fé, mas dignos de fé como não provados. Somente um fato cujo atributo de verdade careça a priori pode necessitar de prova. Prove o contrário.

3.3.6 O tijolo persegue a total desintermediação das relações humanas e mediáticas, que para ser possível deve ser total e radical.

3.4 Os pedreiros aceitam ofensas, insultos e em geral qualquer manifestação civil ou incivil de dissidência entre membros e estranhos, como um meio dialético autêntico de formação do eu pensante, em oposição ao superego do homem soja que encena o não-pensamento, impraticável e pré-embalado.

3.4.1 O pedreiro não é vulnerável às reviravoltas da fortuna e às provocações dos traiçoeiros. Ele não se deixará perturbar pelo desprezo do mundo, porque sabe que o caminho para o ascetismo é perigoso e lascivo.

3.5 Com o colapso das ideologias e da sociedade coletiva de massa em geral, no mundo pós-pandemia 5.0, não há mais nenhum corpo intermediário entre o eu e o outro, nem mesmo a própria carne. A olaria deseja reconectar essa intermediação através das "teias", subvertendo as velhas categorias míticas.

3.6 A alvenaria considera, portanto, as teias o terreno mais fértil para o nascimento de um novo ser, de novas construções sociais, antropológicas, ontológicas, até então impossíveis porque bloqueadas pelos intermediários das estruturas de poder. Apesar de tudo, a web continua sendo o não-lugar mais livre da Terra. Portanto, o tijolo não pretende digitalizar a realidade, mas torná-la digital.

3.6.1 A fabricação de tijolos usa as categorias da cultura pop e o léxico emprestado da linguagem urbana para tornar essas categorias explícitas e manifestas.

3.6.2 Os meios de expressão por meio dos quais a fabricação de tijolos transforma e derruba as categorias existentes são a pós-ironia, o shitposting e o MeMe, uma forma de arte pura e livre, portanto do povo.

***

4. Shitposting e pós-ironia multinível tornam realidade e ficção, ficção e realidade indistinguíveis aos olhos dos não pedreiros – ou “normies” -, minando o espetáculo em seus fundamentos. Esses meios visam, portanto, a construção de uma nova linguagem mítica, ora explícita, ora alusiva, e, portanto, conecta o tijolo (e seu dono) à linguagem do divino e da verdade.

4.1

4.2 A realidade imita o MeMe. O MeMe, portanto, escreve a realidade.

4.2.1 A falência intelectual da ciência moderna é evidenciada, entre outras coisas, pela não enunciação do ponto 4.2 como lei natural.

4.3 O Maciste é o herói moderno capaz de lançar o olhar para além da mentira do espetáculo e gritar a verdade ao mundo. Ele pode fazer isso porque é belo, e é belo porque é capaz de fazer isso: a gnoseologia de tijolos é fundada em kalokagathìa.

4.3.1 Se o Homem-Soja, cheio de beleza e de sagrado, não pode ter outro horizonte axiológico e espiritual que não seja no trabalho inteligente, no virtual e no consumo, o Maciste aspira a se reencontrar plenamente com cada uma de suas faculdades manuais, intelectual e espiritual.

4.4 O artista do tijolo é, com efeito, uma singularidade infinitesimal de um enxame de inteligência, simbolizado pelo tijolo.

4.4.1 Brick rejeita o crepuscularismo e o refúgio tranquilo em uma realidade mítica ficcional. É o desafio vitalista à realidade pós-pandemia.

4.5 O círculo não existe, mas se existisse sua área seria cerca de três quartos do quadrado circunscrito a ele.

4.6 King Kong > Godzilla.

***

5. Sendo a modernidade o interminável e ubíquo funeral do mundo, só das cinzas de sua debilitada razão a vida pode renascer.

Essa é literalmente a nossa ideologia.


Esta é uma tradução automática de uma publicação publicada em Il Pedante na URL http://ilpedante.org/post/letteralmente-la-nostra-ideologia em Thu, 18 Mar 2021 06:52:07 PDT.