Não estou vendendo nada, obrigado

O martírio é uma pedra no sapato, uma pedra de tropeço histórica e moral como sua matriz divina, Cristo na cruz "escândalo para os judeus, loucura para os pagãos" (1 Cor 1,23). Para aqueles que não acreditam é o incômodo lembrete de que "a noção de eternidade" permanece gravada nos corações mortais (Ec 3:11) e as salvações seculares que encantaram todas as épocas – mas nunca tanto quanto a nossa – não são suficientes porque "nesta tenda [da habitação terrena] gememos intensamente desejando ser revestidos da nossa habitação celestial" (2 Cor 5: 2). Ao fixar os olhos no além, o mártir humilha as oferendas do mundo, daqueles que o dominam e daqueles que aspiram torná-lo um paraíso possível que torna supérfluas as consolações celestes. Diante de sua fé, ele atesta que não, não é verdade que se possa e queira colocar tudo na terra, tirar a bem-aventurança de seus abismos, a verdade da contagem de seus fenômenos, a imortalidade das tramas invisíveis dos organismos. Ele diz que o objetivo desejado não está aqui, por mais longe que se possa avançar.

O cuspe do mártir na panela do progresso ativa as defesas mais clássicas do progressista. A encenação do sagrado no palco da história produz mártires leigos cuja característica é justamente a de serem antieternos, os vencedores do dia seguinte a quem as escolas e ruas são nomeadas para o próximo regime. Imortais enquanto dura, eles satisfazem uma sede intemporal de glória agarrando-se às bandeiras dos tempos.

Uma vez que tudo foi traduzido para o mundo, até os mártires da fé tornam-se peões de uma representação histórica em perpétua ascensão. Eles não testemunham mais a beleza do prêmio futuro, mas a feiúra dos horrores passados, a "irracionalidade" de lugares e tempos distantes em que pessoas matavam e se deixavam matar das formas mais atrozes, não tanto por uma ideia mas – sim, intolerável – para uma ideia religiosa. Colocado assim, sem armadilhas divinas, o martírio já não desperta desconforto, mas alívio, na verdade orgulho, de ter tirado das angústias de um passado assombrado por fantasmas do espírito e de olhá-lo das margens secas da higiene, das máquinas de plástico e de calcular . As consolações que surgem dessa consciência histórica são tão refrescantes que obscurecem a consciência da história, por exemplo, o fato de que " hoje há … mais mártires na Igreja do que nos primeiros séculos " ou que os próprios fundamentos dessa da modernidade secular e "racional" da qual nos gabamos repousar sobre os cadáveres anônimos dos mártires. Dos milhares de religiosos e fiéis massacrados pelas tropas revolucionárias que trouxeram liberté e fraternité para a França, quatrocentos e trinta e nove são venerados hoje como beatos, enquanto o processo de canonização está em andamento para outros seiscentos.

Por razões não muito diferentes, até os crentes mantêm uma boa distância do exemplo dos mártires. Não tanto pelo medo (compreensível) de compartilhar seus tormentos, mas mais substancialmente porque em seus negócios é reiterada a advertência das Escrituras, que entre César e Deus pode haver uma trégua, mas nunca a paz . O sonho calvinista e burguês de uma vida próspera por causa da fé desaparece na palma dos mártires, mas também a recente exigência de que a Igreja e a comunidade dos fiéis trabalhem em pé de igualdade com os poderes civis para contribuir " projeto. E que esta identidade solidária de ideias e de linguagem é ela própria uma prova de qualidade, o pedigree de um cristianismo finalmente capaz de arquivar as rigidezes do passado para ocupar o seu lugar no mundo: respeitado porque respeitoso, respeitado porque obsequioso.

Tudo volta, tudo se reconcilia: "Se você fosse do mundo, o mundo amaria o que é seu". E paciência se "já que não sois do mundo, mas eu vos escolhi do mundo, por isso o mundo vos odeia" (Jo 15, 18-19) e se "dei-lhes a vossa palavra e o mundo odiados porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo” (Jo 17,14). Depois dessa oração, a "justiça" dos homens teria reivindicado a morte do Cordeiro para salvar um bandido, o primeiro de uma série de mártires destinados a se repetir em todos os lugares, com todo o respeito por aqueles que imaginam que a ferida aberta por Adão curou – ou chance de sorte! – em seu metro quadrado de "mundo civilizado".

***

O martírio faz sentido, vale a pena? Líquida das fraquezas humanas, a resposta parece fácil: sim para quem acredita que a terra é uma passagem e uma prova, não para quem não acredita nela. Na prática, porém, é mais complexo, pois o dispositivo do martírio quase nunca se apresenta com os contornos escolásticos das hagiografias. Dirigindo-se aos fiéis em 2010, o Papa Ratzinger comentou que “provavelmente não nos é exigido o martírio, mas Jesus nos pede fidelidade nas pequenas coisas”. Apenas uma semana depois, porém, deu uma formulação mais ampla e convincente do conceito: «o mártir é uma pessoa supremamente livre, livre diante do poder, do mundo; uma pessoa livre, que … se abandona nas mãos de seu Criador e Redentor ». Se o entendemos em sua etimologia (Gr. Μάρτυς , "testemunha"), o mártir é aquele que atesta a precedência das leis eternas no ato de rejeitar as ofertas dos poderes mundanos que se opõem a essas leis, até o limite extremo da vida. Ao invés de aceitar seus castigos, ele certifica sua liberdade e sua impotência, ele revela a lama da qual sua moeda é feita. Para os cristãos, continua João, isso não é uma eventualidade, mas um destino: «Lembrai-vos da palavra que vos disse: o servo não é maior do que o seu senhor. Se eles me perseguiram, perseguirão você também” (Jo 15,20). Em graus variados, o martírio é um chamado universal.

Assumindo este sentido mais amplo, de uma imitatio Crucis silloge de cada vida, surge então o problema de discernir caso a caso se e quando convém expor-se às agressões das hierarquias temporais para testemunhar um valor que as transcende, e quando fazer isso não é do que uma ambição. O problema é ainda mais complicado pelo fato de que hoje as questões morais quase nunca são colocadas em termos últimos de seus efeitos escatológicos ou pelo menos existenciais. O horizonte ideal dos modernos se livrou desses domínios para que tudo se explique segundo a funcionalidade e a racionalidade e nada fique fora do microscópio do cientista social. O aborto é uma questão de "direitos", o fechamento das igrejas da "higiene", a fornicação do "bem-estar afetivo" e assim por diante. Hoje ninguém sonharia em impor explicitamente uma apostasia ou um pecado: seria elevar a norma subjacente à dignidade de existir. Portanto, o sagrado, mesmo declarado morto, não cessa de nos chamar a si. Fá-lo clandestinamente, disfarça-se no vocabulário profano e da escuridão da consciência faz nascer os frutos deformados do fanatismo secular, o mais fanático de todos os cultos. A fé na ciência e no mercado, a abstinência de seus direitos para o "bem comum", os tabus dos regimes derrotados e discriminações sociais selecionadas, os sacrilégios da "negação" e do "revisionismo" apaziguam a necessidade de religião dos homens e colocam o eterno fora de ação . Dadas essas condições, faltam as condições para um sacrifício de "cartas abertas". Tudo é jogado em metáfora, tudo deve ser traduzido e reatribuído a um léxico perdido.

Nesse nevoeiro, porém, não é impossível orientar-se, aliás, pode-se fazê-lo sem incerteza, desde que a análise seja invertida e o olhar se desvie do mártir para fixá-lo nos primeiros arquitetos de seu testemunho. A questão do martírio é uma proposta empresarial clássica que se apresenta na variante subtrativa da chantagem, onde o proponente não oferece o seu, mas ameaça tirar do oblato algo que já lhe pertence, tendo o direito de fazê-lo. Aqui o bem contestado é a fé, o preço é a vida. Agora, quem define esse preço? O mártir? Não, o perseguidor. Quem determina que a fé vale pelo menos – mas na verdade mais, porque todo bom negociador sempre tenta obter o menor preço – tanto quanto a vida? Mais uma vez, o perseguidor. Pode-se então dizer que o mártir "descobre" o valor daquilo em que acredita precisamente graças àqueles que o minam, como alguém descobriria que possui um tesouro graças a quem lhe oferece milhões por ele. Se é altamente incorreto argumentar que os mártires "dão" suas vidas pela fé (nesse caso seriam suicídios), também é incorreto atribuir a eles a exclusividade do testemunho. Eles o certificam pelo exemplo, é verdade, mas não são os autores.

O critério é especialmente infalível em negociações "no escuro", quando as intenções do proponente parecem pouco claras ou insinceras. Em princípio, uma oferta apresentada em termos de chantagem sinaliza, por um lado, um desequilíbrio de forças e uma vontade de sobrepujar que facilmente nos permite prever quem se beneficiará do negócio, por outro, a incapacidade do proponente de obter o que deseja por oferecendo um bem justo de valor comparável. A partir daqui, entende-se que as apostas podem ser razoavelmente grandes, muito maiores do que a declarada, mesmo sem saber quanto e por quê. Tão alto que não pode ser comprado nem pelos mais ricos em meios e substâncias, não sem recorrer à força. E essa suspeita só pode se consolidar à medida que o preço “oferecido” aumenta (ou seja, o valor do subtraído), até se tornar certeza quando a aparente desproporção entre os valores se torna grotesca e a insistência de ofertas obsessivas. Então isso vale a pena? Óbvio que sim, porque essa penalidade é valor , seja ele qual for. E aqueles que perguntam segurando a pistola na coronha só podem responder com as palavras pronunciadas no Sinédrio: "Você disse isso". Eu não.


Esta é uma tradução automática de uma publicação publicada em Il Pedante na URL http://ilpedante.org/post/non-compro-niente em Tue, 15 Feb 2022 10:58:54 PST.