No deserto falarei ao seu coração

Portanto, eis que eu a atrairei, a conduzirei ao deserto e falarei ao seu coração.
Dali lhe darei suas vinhas e o vale de Acor como porta de esperança;
ali me responderá como nos dias da sua mocidade, como nos dias em que deixou a terra do Egito.

(Oséias 2,16-17)

Então o rei do Egito disse às parteiras dos judeus, uma das quais se chamava Sifra e a outra Pua:
"Ao testemunhar o nascimento de mulheres judias, observe quando o recém-nascido ainda está entre os dois lados da cadeira de parto:
se for menino, você o fará morrer; se for uma fêmea, poderá viver».
Mas as parteiras temeram a Deus: não fizeram como o rei do Egito lhes ordenara e deixaram as crianças viverem.

(Êxodo 1: 15-17)

Para alguns parecia estranho ou desafinado que entre os trabalhadores do porto de Trieste carregados enquanto protestavam contra a imposição do "passaporte verde" alguém segurasse um rosário nas mãos. É uma imagem a que não estamos habituados. No século passado e mais, sempre vimos as lutas dos trabalhadores pelo direito ao trabalho e contra a discriminação no local de trabalho sob as bandeiras vermelhas e os sindicatos, nunca com os símbolos da religião cristã. As dimensões e o resultado do protesto de Trieste sugerem não deixar o caso de lado entre as curiosas exceções, mas perguntar-se se não é sinal de uma mudança ocorrendo nas formas de representar e agir as relações entre as forças sociais.

Em Trieste os grandes sindicatos não estavam lá porque não queriam estar lá. Já espectadores distraídos ou cúmplices nos ataques ao trabalho reivindicados por tie-makers globais, eles também se deixaram atravessar como fantasmas pela experiência absurda e vingativa de suspender trabalhadores de saúde não vacinados até mesmo de associações profissionais . Na história relatada pelos estivadores eles até conseguiram superar os proprietários com o pedido de prorrogação da obrigação de injeção e a discriminação relacionada a todos os cidadãos , trabalhadores e não trabalhadores, sem alternativas ou exceções. Depois de um abraço caloroso com o banqueiro que hoje lidera o governo dos italianos e ontem fechou os caixas eletrônicos gregos para lhes impor as reformas turbopadronais da "troika", o secretário do Ggil esnobou as reivindicações do cais de Trieste e convidou os membros a manifestar-se contra os cadáveres mais mastigáveis ​​do fascismo. Quem também precisava de um cartão para trabalhar, mas não pode mais raspar do túmulo.

Trieste não carecia apenas de sindicatos. Não havia políticos, ministros, deputados, vereadores ou vereadores, nem vermelhos nem negros, nem mesmo à revelia. Não havia autoridades religiosas, não havia intelectuais. Não havia ninguém além do povo, que se aglomerava na cidade e na Itália aos milhares para dar voz aos milhões. Trieste foi o marco zero da representação, o sepulcro de qualquer ideia residual de república e soberania. Era o deserto, a solidão finalmente perfeita de um povo leproso que deve ser removido da mente e dos olhos , lavados com hidrantes como sujeira.

Aqui daquele deserto, como do deserto dos anacoretas, ergueram-se orações, ícones exibidos e louvados ao último monsenhor que não promove picadas e poções, mas fala de Deus. é melhor refugiar-se no Senhor do que confiar no homem, melhor refugiar-se no Senhor do que confiar no poderoso" (Sl 117: 8-9) e no profeta, que" maldito seja o homem que confia no homem, que coloca o seu apoio” (Jr 17.5). Nas praças da Itália o rosário foi recitado e transmitido em canais da internet, foi bombardeado em escritórios e no metrô, enquanto até os mais despreocupados entre os usuários das redes sociais relançaram a hashtag #NoiVogliamDio . Varreu o último véu de areia, cada grão da rosa jacobina Jerusalém caída pelos vermes do cálculo e da mentira, a rocha sobre a qual o sábio constrói uma existência e, portanto, também uma sociedade, firme na justiça, ressurgiu (Mt 7:24). -27; Lc 6,46-49).

A deserção dos sacerdotes da luta de classes, agachados aos pés do faraó, desnudou a eterna luta contra os frutos das trevas, que chama a combater todas as classes e todos os homens em seu caminho no deserto das tentações terrenas (Lc 4 : 1-13). O confronto levou a um terreno incontrolável na roupa íntima apertada das ideologias. Começou a fuga do povo da tirania do Egito, fuga da qual o deserto é a condição e a passagem. Ao longo do caminho haverá provações e tentações de ídolos, mas sobre aqueles que permanecerem fiéis virá o alimento enviado pelo Céu e uma mão capaz de subjugar os perseguidores. E a Lei descerá como no passado, a única sobre a qual pode subsistir um mundo melhor e prometido.


Esta é uma tradução automática de uma publicação publicada em Il Pedante na URL http://ilpedante.org/post/nel-deserto-parlero-al-suo-cuore em Mon, 25 Oct 2021 12:53:16 PDT.